sábado, 24 de setembro de 2011

... a Morte...




E de repente vejo o caixão. Era belo! Belo!
Linhas dolorosamente singelas, um simples paralelipípedo em madeira clara (pinho nórdico) e um verniz imaculado. Albergava a suave Cristina de olhos claros.
Definhou tristemente, a minha colega de arquitectura. Éramos tão poucos... Ficamos menos...

Paz e Beleza eternas. Amen

4 comentários:

  1. Não posso deixar de pensar naquele caixão, desenho de arquitecto (ou dela ou do marido). Uma peça de design tão límpida e tão frugal ao mesmo tempo, que acariciou e aconchegou nesta última partida, um ser tão sereno e maravilhoso. Não me posso esquecer desta última imagem: BELA e ETERNA!!!

    ResponderEliminar
  2. Associo-me á tua tristeza, Margarida.

    Um beijo.

    ResponderEliminar